quinta-feira, 22 de novembro de 2007

Fazer o Pão


Fazer o pão foi uma festa!

A Patrícia queria saber como se faz pão.

A Dona Maria de Jesus prontificou-se a ensinar.

No meu quintal todos deram o seu contributo:

peneirar, amassar, tender, aquecer o forno, enfornar e por fim ... comer o pão dourado e quentinho!

quarta-feira, 14 de novembro de 2007

sexta-feira, 9 de novembro de 2007

Castanha


A Castanha é rica em hidratos de carbono e possui um valor calórico a rondar os 350 Kcal/100g. Isenta de colesterol, contém elementos minerais como o potássio, fósforo, cálcio e magnésio muito bem representados e valores importantes de oligoelementos como o cobre e manganês. Também os aminoácidos e as fibras são componentes importantes na castanha.
A castanha é um alimento que apresenta características bioquímicas muito interessantes para a dieta alimentar. A nível gustativo, os aromas, a textura, os taninos, variam com as cultivares, mas de um modo geral são muito apreciadas em natureza ou transformadas.

quinta-feira, 8 de novembro de 2007

Regresso ao Lar

Ai, há quantos anos que eu parti chorando
Deste meu saudoso, carinhoso lar!...
Foi há vinte?...há trinta? Nem eu sei já quando!...
Minha velha ama, que me estás fitando,
Canta-me cantigas para eu me lembrar!...

Dei a volta ao mundo, dei a volta à Vida...
Só achei enganos, decepções, pesar...
Oh! a ingénua alma tão desiludida!...
Minha velha ama, com a voz dorida,
Canta-me cantigas de me adormentar!...

Trago d'amargura o coração desfeito...
Vê que fundas mágoas no embaciado olhar!
Nunca eu saíra do meu ninho estreito!...
Minha velha ama que me deste o peito,
Canta-me cantigas para me embalar!...

Pôs-me Deus outrora no frouxel do ninho
Pedrarias d'astros, gemas de luar...
Tudo me roubaram, vê, pelo caminho!...
Minha velha ama, sou um pobrezinho...
Canta-me cantigas de fazer chorar!

Como antigamente, no regaço amado,
(Venho morto, morto!...) deixa-me deitar!
Ai, o teu menino como está mudado!
Minha velha ama, como está mudado!
Canta-lhe cantigas de dormir, sonhar!...

Cante-me cantigas, manso, muito manso...
Tristes, muito tristes, como à noite o mar...
Canta-me cantigas para ver se alcanço
Que a minh'alma durma, tenha paz, descanso,
Quando a Morte, em breve, ma vier buscar!...
(recordando Guerra Junqueiro (1950). Os Simples)

quinta-feira, 1 de novembro de 2007

Paradoxo de Easterlin


Ignacy Sachs, escreveu, em 1986: “níveis crescentes de consumo material não podem compensar a alienação no trabalho e a falta de finalidade na vida: quanto mais fácil se torna a obtenção de bens, menor a gratificação psicológica por eles proporcionada”.
O professor norte-americano Easterlin constatou, em 1974, que embora a renda nacional nos EUA tivesse aumentado de forma espetacular desde a Segunda Guerra Mundial, os americanos diziam que não se sentiam mais felizes. Em virtude deste resultado, o Professor formulou a teoria que ficou conhecida como o “Paradoxo de Easterlin”!